|
August 3, 2015
|

Plataforma nativa x Cross-plataform: qual escolher para o desenvolvimento de apps?

Quando surge a ideia de desenvolver um aplicativo para os negócios, é comum que também apareçam dúvidas sobre quais são as opções disponíveis para criá-lo e qual seria a melhor escolha para isso. Por isso, nesse post vamos mostrar as maiores diferenças entre as duas principais plataformas — plataforma nativa e Cross-plataform — para te ajudar a entender melhor como isso influencia no resultado final do seu projeto. Confira!

Plataforma nativa: quais as principais características?

Quando falamos em desenvolvimento com base em plataforma nativa, estamos nos referindo a desenvolver um aplicativo pensando em configurá-lo para uma plataforma específica. Embora eficiente em desempenho, a opção de plataforma nativa não abrangerá todo e qualquer tipo de dispositivo e, por isso, dependendo do público-alvo (que pode fazer uso de mais de uma plataforma ao mesmo tempo ou trocar constantemente de aparelho celular, por exemplo), pode não ser suficiente para dar ao projeto o alcance almejado.

Prós x Contras

Um dos prós do modo para plataforma nativa é que pode ser mais fácil trabalhar detalhes para obter excelente performance em cada dispositivo, tendo certeza do resultado que aparecerá na tela do usuário, porém, um fator que pesa contra é que, ao ser necessário desenvolver mais de uma versão, os custos podem subir.

Com relação ao design, também é possível adaptar a linguagem de cada versão para ser compatível com a linguagem nativa da plataforma: assim, ao serem executados, recursos visuais se comportarão sem necessidade de conversão. No Windows Phone, por exemplo, as abas de opções do app aparecerão na tela de mesmo plano como se fossem parte original do dispositivo e serão vistas assim como o usuário vê as demais funções que já está acostumado a executar.

Mas, em contrapartida, a dor de cabeça pode ser maior ao tentar encontrar mão de obra qualificada para desenvolver versão por versão, além de ser necessário fazer atualizações e resolver bugs em cada uma individualmente, o que pode complicar e encarecer a ação.

Cross-plataform: o que muda?

Já ao pensarmos em Cross plataform, temos um modo alternativo de desenvolver com base em uma linguagem que pode ser facilmente decodificada por mais de uma plataforma na mesma versão. Independente de qual seja o dispositivo que seu público use, ele poderá facilmente baixar seu aplicativo, instalá-lo e ter a mesma interação que outros usuários terão. O valor de usar uma plataforma integrada está também no fato de que ela permite portabilidade, tornando seu app muito mais popular.

Logo, ao trabalharmos com Cross-plataform, tornamos o aplicativo mais extensivo no mercado, embora seu comportamento possa variar dependendo das especificidades do aparelho em que rodará, item este que deve ser observado nos trabalhos de verificação de UX Design e experiência do usuário.

Prós x Contras

Com relação à mão de obra para desenvolver, há vantagem no fato de que, ao encontrar uma empresa especializada que ofereça a opção de Cross-plataform, você poderá utilizar a IDE ou OS que escolher e testar o aplicativo ainda na fase de desenvolvimento para ter uma prévia de como ele se comportará nas plataformas híbridas.

No que se refere ao Design, a Cross-plataform também pode oferecer a possibilidade de personalizar os gráficos e testá-los previamente. Desenvolvendo a base de apresentação visual em linguagens diferentes, a plataforma Cross tenta unificar recursos que estejam presentes em todos os dispositivos em que forem rodar, garantindo a execução de ações integradas e comuns a todos eles.

Mesmo que isso traga o desafio de alguns recursos presentes na plataforma nativa não estarem disponíveis também no app, ganha-se pelo lado de que, ao quebrar a exclusividade e promover integração, um aplicativo consegue levar as mesmas funcionalidades a um número muito maior de usuários.

A melhor maneira de escolher a plataforma mais adequada para a sua necessidade é avaliar o que deseja com seu aplicativo, qual é seu público e qual é a melhor relação custo x benefício. Utilizando um modelo de plataforma integrada, por exemplo, há maiores possibilidades não só de reduzir custos em relação ao modo para plataforma nativa como também ampliar a abrangência do aplicativo.

E então, qual das duas plataformas é ideal para o seu app? Conta pra gente nos comentários!

Comments

More articles

X dicas para você criar uma estratégia de mobile marketing infalível

November 20, 2018

Pesquisa de mercado: Por que ela é importante para o desenvolvimento de apps?

November 19, 2018

Afinal, é possível criar app sem saber programação?

November 16, 2018

Como transformar um website em aplicativo?

November 14, 2018

LEAVE A COMMENT